Biocombustíveis, sustentabilidade, proteção de culturas e segurança alimentar foram alguns dos temas debatidos durante o Agri-Sustainability Talks, evento promovido, em Londres, pela Embaixada do Brasil no Reino Unido, entre os dias 24 e 26 de outubro.

Na oportunidade, a representante na União Europeia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Emily Rees, participou ativamento dos debates sobre Biocombustíveis e Sustentabilidade e realizou reuniões bilaterais para acesso de mercado futuro do açúcar e etanol brasileiros no Reino Unido. A participação da UNICA faz parte do projeto setorial com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

“O painel com foco em etanol apresentou uma oportunidade para a UNICA, como entidade representante do setor, se posicionar com o público presente. Neste intercâmbio produtivo, foi estabelecido o contato com diversos atores relevantes, como a ONG Transport & Environment”, informou Rees.

BREXIT

A representante da UNICA aproveitou a oportunidade para destacar as propostas prioritárias da entidade, no contexto da saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Em relação ao Reino Unido, Rees pontuou que o Brasil deve continuar trabalhando no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC) para garantir acesso justo e equilibrado ao etanol e açúcar refletindo, assim, no consumo atual desses dois produtos na região. A ideia é que antes do final do prazo de transição, em dezembro de 2020, seja estabelecida, por meio de negociação, quotas preferenciais para açúcar e etanol com alíquotas zeradas.

“Quanto à União Europeia, a proposta é manter as quotas de importação para açúcar e etanol, independente da saída do Reino Unido. Isso se daria com uma forte posição brasileira junto à OMC”, esclareceu Emily.

BILATERAIS

No período em que esteve em Londres, Rees aproveitou para promover uma série de reuniões e pautar as prioridades do setor sucroenergético em importantes instituições.

No Departamento de Comércio Internacional do Reino Unido (Department of International Trade), a representante da UNICA esclareceu dúvidas relativas ao alinhamento da tarifa MFN para etanol e cana-de-açúcar com a União Europeia, no caso de saída do Reino Unido.

Também participou de dois encontros com pesquisadores da Chatham House, com objetivo de apresentar o setor sucroenergético brasileiro e entender como a UNICA poderia fornecer informações no quadro dos estudos publicados pela organização.

PROJETO

A Apex-Brasil e a UNICA publicaram, em fevereiro de 2008, estratégia para promover a imagem dos produtos sucroenergéticos no exterior, em especial do etanol brasileiro como uma energia limpa e renovável. As duas entidades assinaram um convênio que prevê investimentos compartilhados. O projeto pretende influenciar o processo de construção de imagem do etanol e demais derivados da cana junto aos principais formadores de opinião mundial, bem como empresas de trading, potenciais investidores e importadores, ONGs e consumidores.