Em 2019, dez consumidores do mercado livre, entre cooperativas, hotéis, supermercados, indústria e laboratórios já conseguiram o Selo de Energia Verde, certificação emitida pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) a empresas produtoras e consumidoras de energia limpa e renovável.

Esses consumidores conseguiram a certificação por adquirirem energia diretamente de usinas que produzem bioeletricidade a partir da cana-de-açúcar ou por intermédio de comercializadora também certificada pela UNICA, em parceria com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), e apoio da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

A previsão é que estes dez consumidores adquiram no mercado livre um total de 51 mil MWh de energia, o equivalente ao consumo anual de quase 30 mil residências e, por estar vinculado à produção de bioeletricidade, isto representa mais de 15 mil toneladas de CO2 que deixarão de ir para a atmosfera em 2019. Para se ter uma ideia, seria necessário o plantio de mais de 100 mil árvores nativas, nos próximos 20 anos, para que a mesma marca fosse atingida.

SELO VERDE

A criação do Selo Energia Verde representa a entrada em vigor do Programa de Certificação da Bioeletricidade, que permite a troca de informações entre UNICA e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) para a confirmação sobre a origem contratual da energia comercializada pelas usinas movidas a biomassa de cana e pelas comercializadoras no mercado livre de energia.

O programa conta atualmente com 95 agentes com Certificação/Selo Verde, entre unidades produtoras, consumidoras e comercializadoras de energia elétrica. O programa é primeiro no Brasil focado estritamente na energia elétrica produzida a partir da biomassa de cana e tem como missão incentivar e ampliar a participação da bioeletricidade na matriz energética brasileira.

“Ano passado, certificamos apenas um consumidor no mercado livre. Neste ano, já estamos com dez. Isto mostra como o consumidor de energia elétrica está cada vez mais preocupado com o consumo responsável e sustentável e o Selo Energia Verde representa um oportunidade para eles demonstrarem isto junto à sociedade civil”, comenta Zilmar Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA.

O Selo Energia Verde é concedido sem custo aos consumidores que cumprem as diretrizes gerais do Programa de Certificação da Bioeletricidade. Mais informações em: Selo Verde