Ethanol Summit Notícias jun 18, 2019

Na palestra Magna, realizada na tarde desta segunda-feira, 17 de julho no Ethanol Summit, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, falou dos atuais desafios do parlamento brasileiro. “O grande tema neste e nos próximos anos será a reforma dos gastos públicos”, falou para um grupo de 500 empresários do setor sucroenergético.

O painel teve a participação de Luiz Pogetti, presidente do Conselho da Copesucar, de José Roberto Mendonça de Barros, sócio-diretor da MB Consultores, e de Rubens Ometto, presidente do Conselho da Raízen. Segundo Maia, não adianta falar de investimentos em segurança, saúde, educação e infraestrutura se não olhamos primeiro o crescente volume de despesas dos entes federados. “O Estado brasileiro tem apenas recursos para pagar pessoal e custeio e para fazer o mínimo de investimentos precisa emitir dívidas”, avaliou.

Na visão do parlamentar, é difícil enfrentar as reformas, mas é fundamental. Segundo ele, não adianta tratarmos de redução de carga tributária se não tratarmos da redução do tamanho do Estado. “Não adianta conseguirmos recursos federais para que os prefeitos construam belas creches porque eles já não têm dinheiro para contratar professores, então, a reforma do Estado é decisiva e a participação do setor privado também”.

Maia acredita que será através dessas reformas que o País voltará a garantir o espaço de investimento e a tranquilidade para o investimento no setor privado. Segundo ele, justamente porque esses temas impactam a vida de muitas pessoas, precisam ser trabalhados. “E nosso desafio atual é reorganizar para que o orçamento volte a ser um orçamento que reduza desigualdade, reduza pobreza e garanta uma melhor qualidade no serviço público”.

O Ethanol Summit, maior evento do setor sucroenergético da América Latina, reuniu autoridades nacionais e internacionais, empresários, acadêmicos e especialistas para debater os principais temas do setor, incluindo inovação, mobilidade, biocombustíveis, bioeletricidade, políticas públicas, comércio internacional e infraestrutura.

 

Notícias Relacionadas