Projeto desenvolvido há mais de dez anos por meio da parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a UNICA que tem como principal objetivo ampliar o acesso a mercados internacionais selecionados, buscando igualdade de condições para os produtos derivados de cana-de-açúcar, particularmente o etanol e o açúcar, além de propagar a imagem destes produtos por meio dos seus atributos de sustentabilidade.

Assinado em fevereiro de 2008, em sua primeira versão, o convênio prevê investimentos compartilhados entre a UNICA e a Agência para promover oportunidades no mercado internacional para etanol e, posteriormente, para açúcar, considerando estudos de inteligência comercial e, principalmente, ações de promoção comercial e de imagem.

Além de beneficiar diretamente o setor sucroenergético em todo o país e de trabalhar para o aumento do acesso do açúcar brasileiro a diversos mercados, o projeto também favorece a cadeia produtiva da cana-de-açúcar, incluindo os fornecedores de cana, centros de pesquisa e de desenvolvimento agrícola e industrial, fornecedores de máquinas, equipamentos e insumos em geral, tradings, logística e variados prestadores de serviços.

Essa iniciativa também reforça o potencial do programa de etanol por meio da diversificação do mix de produtos, da consequente redução da dependência ao petróleo e o equilíbrio do mercado, geração de empregos e renda adicional ao agricultor, além da melhoria da qualidade do ar e redução de emissão CO2 na atmosfera.

A UNICA também atua em conjunto com outros projetos setoriais do agronegócio para promover esses produtos brasileiros no mundo.

 

CONQUISTAS PARA O SETOR

  • Melhoria da imagem da cana-de-açúcar no mundo;
  • Diferenciação do etanol de cana em relação aos demais biocombustíveis na União Europeia;
  • Inclusão do etanol de cana como biocombustível avançado na legislação do Renewable Fuel Standard
  • Program (RFS), da Agência de Proteção Ambiental Americana;
  • Apoio técnico aos questionamentos brasileiros junto à Organização Mundial do Comércio (OMC) em relação às políticas distorsivas de açúcar na Tailândia, Índia e China;
  • Abertura de diálogo com esses países para possível resolução das questões de interesse comum.

CONTATOS

Eduardo Leão – Diretor Executivo/Gerente do Projeto com a Apex-Brasil
Julia Tauszig – Coordenadora de Relações Institucionais/Coordenadora do Projeto com a Apex-Brasil
Géraldine Kutas – Assessora Sênior da Presidência para Assuntos Internacionais
Leticia Philips – Representante Chefe nos Estados Unidos

Os principais destinos do AÇÚCAR E ETANOL brasileiros

Açúcar

1 - Argélia
10,72%
2 - Índia
8,75%
3 - Bangladesh
8,68%
4 - Emirados Árabes Unidos
7,48%
5 - Arábia Saudita
6,57%
6 - Nigéria
6,12%
7 - Iraque
5,32%
8 - Malásia
4,72%
9 - Canadá
4,57%
10 - Marrocos
4,55%
Outros
32,52%
Total
100%

Etanol

1 - Estados Unidos
55,47%
2 - Coréia do Sul
32,52%
3 - Japão
6,09%
4 - Países Baixos (Holanda)
2,57%
5 - Colômbia
1,40%
6 - Índia
0,59%
7 - Filipinas
0,38%
8 - Suiça
0,34%
9 - Argentina
0,32%
10 - Paraguai
0,24%
Outros
0,08%
Total
100%

Tudo sobre o APEX Brasil

Etanol é opção para equilíbrio na produção de açúcar

Etanol é opção para equilíbrio na produção de açúcar

Tema foi discutido durante encontro da Organização Internacional do Açúcar, na Austrália. Maior liberação do comércio do açúcar e a relevância da utilização do órgão de solução de controvérsias da OMC também foram discutidos